Coronavírus afeta entrega de peças vindas da Europa; região sofre com suspensões


Novo epicentro do coronavírus Covid-19, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Europa sofre agora com o surto da doença. Além de esvaziar as ruas do país, a economia perde força com a recomendação de que as pessoas não deixem suas residências, causando suspensões de atividades em comércio e fábricas, afetando logicamente o ramo automotivo. Por isso, a indústria brasileira também deve sentir os efeitos do temor no Velho Continente: as plantas locais devem sofrer com a falta de componentes oriundos daquela região, como já se previa ocorrer com autopeças chinesas (leia aqui).

Na semana passada, quando se levantou a hipótese de linhas de montagem pararem por falta de peças, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) indicou que as empresas locais avaliavam alternativas para a logística. Entre elas, estava o transporte aéreo dos componentes ou mesmo alterar o mix de produção das fábricas. Essa segunda opção deve ser escolhida, pois o problema agora não é a entrega, mas sim a fabricação dos itens.

Depois do crescimento significativo no número de casos na Itália, outros países da Europa vêm tendo avanços similares. Por isso, tem sido comum o fechamento de operações consideradas “não essenciais”, mantendo-se apenas serviços como supermercados, farmácias e hospitais, por exemplo. Na Velha Bota, a Ferrari fechou sua fábrica, prevendo retomar atividades apenas no dia 30 de março. A FCA fez o mesmo (leia aqui), mas, em comunicado emitido nessa segunda-feira (16), estendeu a medida para as plantas em Polônia e Sérvia.

A Ford também anunciou a interrupção de ações em sua fábrica na espanhola Valência, a maior da empresa na Europa. A empresa revelou que três funcionários locais testaram positivo para o Covid-19, motivando a medida mais drástica. No mesmo país, a Renault-Nissan fechou suas três plantas, após um fornecedor de rodas ter a unidade fabril isolada. Já o complexo da Seat em Martorell enfrenta problemas de logística, o que também causou sua paralisação.

Do lado de cá do Atlântico, além do Brasil, o México também pode ter fábricas fechadas temporariamente. Por lá, o maior problema está na falta de peças. Porém, como aqui, o risco de contágio pode, em breve, também motivar decisões no caminho de suspender operações.

E VOCÊ, O QUE ACHOU DESTA NOTÍCIA?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s